Secretaria de Saúde de Bela Cruz realiza reunião com Agentes de Saúde sobre Leishmaniose Visceral

Folha Belacruzense Noticias | sábado, setembro 05, 2015 |

No dia 21 de agosto de 2015, a Secretaria de Saúde de Bela Cruz realizou uma reunião com os Agentes de saúde para atualização sobre Leishmaniose visceral, o evento fez parte da Semana Nacional de Prevenção da Leishmaniose Visceral e teve como tema LEISHMANIOSE VISCERAL: O CONTROLE DEPENDE DA PARTICIPAÇÃO DE TODOS e teve como objetivo é fortalecer as ações dos agentes de saúde no enfrentamento a doença em seus territórios levando mais informação para a comunidade, suspeitando de possíveis casos humanos e animais com sintomas da doença.
A leishmaniose Visceral tem merecido especial atenção dos órgãos de saúde publica por sua ampla distribuição no Brasil com registro crescente de casos humanos e altos índices de cães positivos.
A doença também conhecida como calazar é transmitida pela picada do flebotomíneo também conhecido como mosquito palha. Suas larvas se desenvolvem na terra úmida, sombreada e com acumulo de folhas, frutos e fezes de animais.  A leishmaniose visceral humana apresenta como sintomas febre durante muitos dias, perda de peso, fraqueza, anemia e aumento do fígado e do baço. No cão apresenta emagrecimento, queda de pelo, crescimento das unhas, descamação na pele, fraqueza, feridas no focinho, orelhas, patas e olhos.
O Ceará tem um dos maiores índices de mortes por leishmaniose do Brasil, segundo o Ministério da Saúde, crianças e idosos são mais suscetíveis à enfermidade que pode levar a óbito até 90% dos casos não tratados.
A doença, que era restrita às áreas de floresta e zonas rurais, tem avançado nas cidades e a sua expansão se deve principalmente as transformações no ambiente, provocadas pelo intenso processo migratório, por agressões ambientais, processo de urbanização não planejada, secas periódicas. O ultimo relatório do clima feito pela ONU aponta que as mudanças climáticas e aumento da temperatura do planeta pode trazer como consequência ao proliferação de doenças transmitidas por insetos no Brasil.

A reunião também teve o caráter de alerta para os problemas ambientais, e sobre a necessidade de um trabalho conjunto e intersetorial no combate a Leishmaniose em nosso município alertando para a identificar casos humanos no inicio da doença com vista que o tratamento é ofertado gratuitamente pelo SUS através da secretaria de saúde. Em 2014 foram examinados pela equipe de vigilância e controle de Endemias 1.170 cães em Bela Cruz, onde 238 foram positivos pra leishmaniose e em 2015 já examinados 238 cães com 65 cães positivos, com destaque para as localidades:

Categoria: